Em Bauru e região, 10% dos trabalhadores do setor químico têm redução de jornada e salário ou contra

 

 

O reflexo da pandemia de coronavírus, que parou o mundo, chegou ao setor químico de Bauru e região. O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas, Farmacêuticas e da Fabricação de Álcool, Etanol, Bioetanol e Biocombustível de Bauru e Região (Sindquimbru) tem se reunido com os patrões na procura por alternativas e dialogado ao extremo para evitar demissão. Boa parte das empresas que suspendeu as atividades optou por férias coletivas, que agora começam a vencer. Mas o momento é tão delicado que 10% dos cerca de 5.500 trabalhadores do setor químico da região de Bauru já estão com redução de jornada e salário ou contrato de trabalho suspenso.

São 400 trabalhadores e trabalhadoras, de sete empresas, com redução de jornada e salário. E outros 176, se seis empresas, com contrato de trabalho suspensos. “Há um mês estamos numa série de reuniões com as empresas do nosso setor para resguardar a saúde e a vida dos trabalhadores e, ao mesmo tempo, minimizar o impacto econômico. Propusemos home office, férias coletiva, licença, programa de compensação de horário, horário flexível, entre outras alternativas. Somente em situação mais extrema, redução de jornada e salário e, em último caso, suspensão de contrato. Diante da gravidade da situação na economia, da incerteza do futuro, o principal objetivo é evitar demissão. Felizmente temos conseguido fechar muitos acordos que mantêm o emprego”, relata Edson Dias Bicalho, presidente do Sindicato.

Além dessas, neste período de pandemia duas empresas do setor químico da região de Bauru fecharam, demitindo cerca de 110 trabalhadores sem pagar o que é obrigatório por lei. Mas Bicalho lembra que um delas, a maior, que demitiu cerca de 100 pessoas, agiu de má-fé. “Na verdade foi um golpe. A empresa nem quis dialogar. Estava enfrentando dificuldades financeiras há um bom tempo e tentou usar a desculpa da pandemia para demitir sem pagar. Recorremos à Justiça do Trabalho e colocamos o Jurídico do nosso Sindicato, que faz atendimento gratuito, à disposição dos demitidos”, acrescenta.

A expectativa de Bicalho é que não haja mais empresas do setor recorrendo à redução de jornada e salário ou suspensão contrato e que as que já o fizerem, com a reabertura das atividades no próximo dia 11 de maio, gradativamente voltem às suas operações normais e, consequentemente, os trabalhadores também. “Estamos muito preocupados porque a retomada das atividades, infelizmente, não representa o fim dos problemas. Já sabemos de antemão que, exceto para produtos essenciais, a demanda caiu muito. Temos um duro período de luta pela frente. Há um mês, quando a pandemia se alastrou no Brasil, nosso sindicato, juntamente com a Fequimfar, que é a Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado de São Paulo, e outras entidades sindicais, têm cobrado dos governantes a renda mínima para o desempregado e o informal e ajuda para as empresas manterem seus trabalhadores com salário. Não há outra alternativa no momento. É o Estado quem pode ajudar a economia não parar de girar”, acrescenta.

 

15/09/2020    O pior já passou ou está por vir?

Não sou e não quero parecer negativista. Mas precisamos ser realistas. Do ponto de vista sanitário,...

10/09/2020    Sindicato completa 31 anos de luta neste 10 de setembro

    Hoje, 10/09/2020, nosso Sindicato completa 31 anos de fundação, quero agradecer a todas e ...

03/09/2020     Campanha Salarial dos Químicos/Plásticos/Fertilizantes está bem encaminhada: proposta patronal é de

  Nesta quinta-feira, dia 3 de setembro, líderes da FEQUIMFAR (Federação dos Trabalhadores na...

25/08/2020     INSS inicia projeto-piloto da prova de vida digital

O INSS, em parceria com a Secretaria de Governo Digital (SGD) do Ministério da Economia e a Dataprev, iniciou em ...

27/07/2020    Seguro-desemprego e auxílio emergencial até o final da pandemia estão entre as reivindicações das ce

A tão desejada retomada da economia não depende só do fim da pandemia de coronavírus, o que ...

Rua Alberto Cury, 1 51 Centro CEP 17020-300 | Fone: (14) 3878-2000 | secretaria@sindquimbru.org.br